Declaração de interesses



De acordo com a Lei, é obrigação dos titulares de cargos políticos e equiparados e dos titulares de altos cargos públicos apresentarem, no Tribunal Constitucional, e no prazo de 60 dias contados da data de início do exercício das respetivas funções, a declaração dos seus rendimentos, bem como do seu património e cargos sociais. 

Devem, posteriormente, apresentar nova declaração (atualizada) de património e rendimentos, no prazo de 60 dias a contar da data da cessação de funções.

No meu caso, e apesar de não ser titular de qualquer “cargo político ou equiparado”, nem detentor de “alto cargo público”, quero aqui deixar a minha “declaração de interesses”, de forma clara e o mais objetiva que me é possível.

É uma “declaração de interesses” não sobre o que tenho, mas sobre o que SOU, pois mais importante do que o “ter” é o “SER”.

1.- Sou homem, casado e pai de três filhos:

Sou casado… e agradeço a Deus ter colocado esta mulher no meu caminho e ter-me aberto o coração para ver que ela é a parte que me completa: “Por esse motivo, o homem deixará o pai e a mãe, para se unir à sua mulher; e os dois serão uma só carne.” (Gn 2, 24)

Sim, também sou pai, mas não “tenho” filhos… os filhos foram-me emprestados por Deus, e por eles terei de prestar contas, mesmo sabendo que eles não serão apenas o resultado da “educação” recebida no lar, mas que esta é extremamente importante no que diz respeito aos valores que fazem de alguém um ser humano, sujeito de direitos e deveres, que vive em sociedade, e de que a Família é a “célula fundamental”, nas palavras de São João Paulo II.

Filho é um ser que nos foi emprestado para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. 

Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado.

Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo.” [José Saramago (?)]

2.- Professo a Fé Católica, cujo centro é Jesus Cristo:

Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso… Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigénito de Deus,… Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida... Creio na Igreja una, santa, católica e apostólica. Professo um só baptismo... Espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há-de vir. Ámen.

Para quem esteja esquecido do texto total do Credo Niceno-Constantinopolitado e/ou do Símbolo dos Apóstolos, e queira recordar-se, pode fazê-lo aqui

Estou comprometido e empenhado, há anos, em atividades eclesiais, mas não quero afirmar que sou “católico praticante”, porque um católico se não “pratica” não é católico!

3.- Sobre as minhas opções político-partidárias:

Em 1988, na sequência da minha participação ativa na Assembleia Diocesana dos Leigos, em Vila Real, e no Congresso Nacional de Leigos, realizado em Fátima, e convicto de que a política é uma “nobre arte” (Paulo VI), “… a nobre arte de governar a cidade.” (Pe. António Rego), decidi, em consciência, dedicar-me também à atividade político-partidária ativa, a qual, aos poucos, e por força das circunstâncias, fui deixando - embora sempre atento ao que se passava e acontece em Vila Real, no país e no mundo.

Há muito tomei as minhas opções político-partidárias, embora – como deve acontecer com todos os que têm alguma consciência crítica –, estas não sejam um fato feito “à minha medida”. 

Há questões sobre as quais me posiciono mais no que se convencionou chamar “à direita”, outras onde estou melhor “à esquerda”. Há outras sobre as quais, porque não estou devidamente esclarecido, não tenho ainda posição definida.

Por isso, que ninguém fique surpreendido ao ver-me, eventualmente, criticar uma opção do partido no qual [ainda] milito, ou a argumentar a favor de uma posição contrária à defendida pelo mesmo, desde que, em consciência, entenda que tal é melhor para os vila-realenses e/ou os portugueses. 

Esta opção pessoal de pensar pela minha própria cabeça e de agir exclusivamente de acordo com a minha consciência tem custos e riscos, mas estou consciente deles. Tal como disse Francisco Sá Carneiro, «A política sem risco é uma chatice e sem ética uma vergonha».

Penso ter deixado bem claro qual é o tripé em que assenta o meu EU!

Mensagens populares deste blogue

De Vila Real às Pedras Salgadas - inauguração da nova linha férrea (1907)

A Marcha da Cidade de Vila Real: "Vila Real, Vila Real, Vila Real!"

Tripas aos molhos | Receita original de Vila Real

Vila Real, a primeira terra portuguesa com luz elétrica

Rainha Santa Isabel, a primeira donatária de Vila Real

Vila Real de Trás-os-Montes: a origem, o nome, o brasão, a cidade…

Para a história do Feriado Municipal de Vila Real

A Freguesia de Adoufe vista em 1943

Vila Real - edifício do antigo colégio de Nª Sª do Rosário

O Jardim da Carreira em Vila Real